Programa de Festas

Setembro 15, 2008

2º aniversário Bacalhoeiro!!! Bacalhoeiro comemora 2 anos em 20 de Setembro!

Filed under: efemérides,sugestões — profestas @ 3:11 pm
Tags: , , , ,

O que começou como uma brincadeira é hoje cada vez mais uma realidade. O colectivo cultural Bacalhoeiro comemora o 2º aniversário no dia 20 de Setembro, no Jardim do Torel.

O verão termina aqui…e ninguém pode faltar a esta mega party que começa às16h00 e termina às 02h00.

16h00 – Feira de Artesanato e animação dispersa

21h00 – FarraFanfarra (orquestra móvel)

21h30 – Cinema erótico dos anos 20 com música ao vivo

                 The good old naughty days – Música de Filipe Raposo (teclas) Hugo        Fernandes    (vioncelo)

22h30 – Tocha Pestana – Os reis do tecno pimba e do turbo punk

00h00 – Kinleidoscop Sky SessionAnimatographo hipnótico

Todos os equipamentos da festa são concebidos pelo Bacalhoeiro numa base ecológica. Os quiosques para a venda de artesanato são feitos ou revestidos com materiais naturais (palhinhas, bambus, estopa, coco e madeiras). Os materiais de sinalização são feitos com materiais reciclados.

O BACALHOEIRO é uma associação cultural, sem fins lucrativos, fundada em 2006 com o objectivo de criar um núcleo de expressão artística em Lisboa, bem como de “conectar” pessoas com interesse nas artes performativas e visuais, através de uma rede de contactos sólida e solidária. O Bacalhoeiro é um espaço de encontro e de expressão artística da cultura urbana lisboeta com uma programação regular, que dedica cada dia da semana a uma disciplina artística diferente.

A associação foi fundada por um grupo de artistas e profissionais das artes do espectáculo com a urgência de proporcionar um espaço alternativo na baixalisboeta.

O Bacalhoeiro conta com cerca de 11.000 associados que representam aprincipal fonte de financiamento da estrutura.

Informação de Sofia Lourenço

comunicacaobac@gmail.com

E nós daqui, antecipadamente já enviamos os nossos parabéns!

Agosto 9, 2008

Festival Internacional de Folclore dos Açores – Angra e Praia

A realização de uma gala sénior e o regresso do espectáculo de encerramento com todos os grupos de folclore à Praça de Toiros da ilha Terceira são considerados dois dos destaques da vigésima quarta edição do Festival Internacional de Folclore dos Açores (FIFAç), que decorre entre 10 e 16 de Agosto em Angra e Praia.


A iniciativa, organizada pelo COFIT, conta com desfiles e actuações de oito grupos de folclore vindos de vários países estrangeiros, três do continente e um dos Açores.

Fonte: turismo terceirense

Julho 14, 2008

FESTIVAL ANDANÇAS – Carvalhais – S. Pedro do Sul

Energias e sinergias entre Música, Dança e o Mundo, entre cidadãos do mundo ávidos de partilhar saberes, fazem deste Festival um caso especial. No Editorial publicado neste site, lê-se:

Como vem sendo nossa tradição, será possível aprender este ano no Andanças mais de meia centena de estilos de dança diferentes: este é o resultado das sinergias que se geram entre cidadãos do mundo ávidos de partilhar saberes. Entre as novidades deste ano salientamos uma oficina de danças portuguesas (as Pauliteiras de Miranda do Douro, a prova de que as tradições estão vivas e em andamento!), um estilo americano (Lindy Hop) e outro cabo-verdiano (Canizade). Lindy Hop é o ritmo que originou o swing e posteriormente o rock. É a famosa crazy dance dos anos 30, nascida no Harlem, o mais conhecido bairro negro de Nova Iorque. Foi a partir do Lindy Hop e respectiva riqueza coreográfica, permeada de loucos passos aéreos e solos, que a partir dos anos 50 surgiram diferentes estilos de rock’n’roll e swing, como o jive, o rock acrobático e outras variações. Quanto à dança cabo-verdiana, muito popular no Andanças, é normalmente associada aos ritmos musicais mais populares, como a morna, a coladeira, o funaná, o batuque, o colá e o talaia-baixo. Mas persiste, sobretudo nas ilhas de Boa Vista, Santo Antão, Brava e São Nicolau, a tradição de danças como o xotice, a contradança, a mazurca, a polca e… o canizade. Esta última estará presente no Andanças este ano pela primeira vez. Tem uma curiosidade única: os dançantes não devem ser reconhecidos, razão pela qual colocam uma máscara enquanto dançam… Leve portanto uma máscara consigo, ou fabrique uma no Andanças antes de fazer esta oficina!

Quanto aos bailes, continuamos a explorar a incrível diversidade de danças europeias: húngaras, balcânicas, bascas, ciganas, bálticas, belgas, do poitou, italianas, galegas, catalãs, mediterrânicas, etc. Vale ainda a pena prestar atenção aos inúmeros instrumentos pouco comuns que serão ouvidos no Andanças, como o kannel (saltério báltico tocado pelos Viis, Estónia) ou o Trikitixa (acordeão diatónico tocado pelos Patxi Eta Konpania, País Basco). Para além de alimentar a curiosidade pela diversidade, o Andanças procura ainda lembrar que a música popular (também) é sinónimo de identidade e muitas vezes de sobrevivência: para minorias étnicas como os Chango, que vivem no norte da Roménia, a participação dos Észtenas (Hungria) no Andanças pode ser a única maneira que possuem de nos fazerem saber que existem. Em relação a grupos portugueses, alguns nascidos em anteriores edições do Andanças, muitos irão ao Festival apresentar os seus novos projectos discográficos: importa estar atento e ficar a par das novas tendências em música de dança.

O Andanças encerrará com um baile abrilhantado pela magnífica Banda Filarmónica de Castro Verde, após um desfile por onde esvoaçará um pássaro gigante (uma colaboração do Teatro Acert). Golpe de Asa é o nome de uma magnífica produção teatral de rua que consubstancia muita da magia do Andanças: o imaginário popular complementado por um imaginário contemporâneo para veicular o desejo de que a relação humana com a natureza seja uma relação de esperança num futuro centrado na paz, na poupança de recursos, no trabalho comunitário, na igualdade e na diversidade. Central à produção estará uma estrutura em forma de pássaro, movida a energias limpas: um pequeno motor eléctrico e muita mecânica fazem movimentar todas as partes desta marioneta gigante (3,5 t), tal como os 1000 voluntários do Andanças fazem rodar o nosso imenso Festival…

“Andanças é um festival de dança e música popular de todo o mundo”
 

Convém ler o Programa, publicado no Pedexumbo.

Julho 13, 2008

Festival Al’Buhera – Encontro de Culturas

Filed under: festivais,sugestões — Dionisio Leitão @ 2:33 am
Tags: , , , ,

site: Câmara Municipal de Albufeira

Na cidade chamada pelos árabes (Al-Buhera: «Castelo do mar»), reunindo intérpretes de diversos estilos, desde a música tradicional portuguesa às sonoridades árabes e mediterrânicas.

Cinco dias de festa no centro de Albufeira, com feira de artesanato, mostras gastronómicas e espectáculos.

Programa Praça dos Pescadores

– Xaile, 23 Jul
– Lura, 24 Jul
– Marenostrum e Band’Alhada, 25 Jul
– Oojami, 26 Jul
– Lilla Downs, 27 Jul

No Algarve, e um pouco por todo o país, temos as mouras encantadas, um dos temas mais comuns e poéticos das lendas e do maravilhoso popular. Não somos afinal uma miscelânea? Como a conhecida lenda das amendoeiras, como Al-Buhera, como este encontro de culturas.

Como Albufeira.

Julho 11, 2008

Exposição “O vinho no Artesanato de Barcelos”

Filed under: artesanato,diversos,exposições,sugestões — profestas @ 5:19 pm
Tags: , , ,

“O Vinho no Artesanato de Barcelos” é a exposição que, a partir de 11 de Julho, estará patente na Sala Multimédia do Posto de Turismo de Barcelos. Até 31 de Agosto, podem ser apreciados mais de 30 obras de arte assinadas por 20 artesãos de Barcelos. A entrada é livre.

Organizada pelo pelouro do Turismo da autarquia barcelense, no âmbito do Ciclo de Exposições de Valorização do Artesanato de Barcelos, esta exposição tem a dupla funcionalidade de divulgar o vinho verde do concelho e evidenciar a riqueza do artesanato local. De referir que o concelho Barcelos tem fortes tradições nas produções vitivinícolas, estando no coração da região demarcada dos Vinhos Verdes.
Algumas peças em exposição foram criadas propositadamente para o certame, enquanto outras são pertença de colecções pessoais dos artistas ou particulares.

Entre os artesãos representados, encontram-se nomes de referência da actualidade: Júlia Ramalho, Conceição Sapateiro, Carlos Baraça, Mistério, João Ferreira, Lurdes Ferreira, Júlio Alonso, Júlia Côta, Laurinda e Eduardo Pias entre outros, e alguns vultos do passado recente do artesanato barcelense, como Francisco Branco e Maria Sineta.
Para além das peças de artesanato, a exposição contempla ainda uma mostra promocional de alguns dos produtores vinícolas de Barcelos.

A exposição pode ser visitada até ao último dia do mês de Agosto, de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 18 horas; aos sábados, das 10h às 13 horas e das 14h às 17horas; e aos domingos domingos, das 10h às 13horas e das 14h às 16 horas.

Ainda inserida neste evento de promoção do vinho verde de Barcelos, amanhã, dia 12, a autarquia organiza mais um Rota “Conhecer Barcelos com as Quintas do Vinho Verde”. Desta feita, serão visitadas, a partir das 14h30, as Quintas da Franqueira, de Santa Maria e de Tamariz.

CMBarcelos

Junho 17, 2008

ETC… – Encontro de Talentos Criativos – Barreiro

“A 3ª edição do festival ETC… – Encontro de Talentos Criativos, tem data marcada para 4 e 5 de Julho no Parque da Cidade(Barreiro), a partir das 21h00.

Este evento é uma mostra de novos valores no âmbito das músicas tradicionais de vários países, seja através da junção de ritmos ou mistura de instrumentos provenientes de vários continentes. Também faz parte integrante deste evento uma Feira de Artesanato Contemporâneo e uma Mostra de Jovens Criadores que mistura varias culturas e valoriza o trabalho artístico realizado por jovens criadores.

A programação é bastante diversificada e promete levar-nos aos ritmos do reggae, ao som tradicional dos adufes e concertinas portuguesas, às batidas dos tambores acompanhados pela dança dos rituais africanos e à animada fanfarra italiana com tendências na música klezmer, jazz entre outras.
Para além do lazer, oferta de cultura e convívio, a mensagem deste evento tem como alicerce a diversidade, a diferença, a igualdade e a cor.

Programação

4 de Julho | 21h00

SEMENTE
(Animação)
Semente é uma amálgama de influências de África (costa Oeste, de etnia mandinga), Cuba e Brasil, entre outros. Uma viagem através de movimentos e formas musicais inspiradas no imaginário da natureza viva e nas tradições ancestrais.
Página sobre a banda: http://www.myspace.com/sementept

ALFA ARROBA
Músicas do mundo para dançar… Sons tradicionais portugueses, do mundo e composições originais, misturadas com uma pitada de “groove”, boa disposição e um pezinho de dança. Eis os ingredientes que fazem os bailes dos ALFA ARROBA um evento único. Danças em grupo, a pares, em trios, em filas… Um convívio dançante, embalado ao som da concertina de Zé Oliveira, dos clarinetes de Gonçalo Lopes e das percussões de Marcos Alves. Orientado pela Rita Duarte nas danças, todos os ouvintes se tornam participantes através do movimento. Vai uma dança?
Página sobre a banda: http://www.myspace.com/alfaarroba

DYABARA
A música tradicional da costa oeste de África (Guiné Conakry, Mali, Costa do Marfim e outros), tem vindo a tomar o seu lugar entre os estilos musicais mais ouvidos um pouco por todo o mundo. Esta cultura ancestral, rica em simbologia ligada á natureza e á humanidade, é caracterizada por ritmos explosivos, danças frenéticas e cantos harmoniosos tornando este estilo numa forte experiência, que toca no âmago de cada espectador!
Página sobre a banda: http://www.myspace.com/dyabara

KUMPANIA ALGAZARRA
A música saiu à rua num dia assim, quase igual aos outros, no ano de 2004, em Sintra.
Em jeito de brigada anti-rotina, enfeitiçados pela musa da festividade permanente, num diálogo empolgado entre música e animação, por onde quer que passassem, estava dado o mote para a dança e espalhava-se a boa disposição. Música nómada, multilinguística e universal. Se espreitarmos o baú das influências vamos encontrar as mais diversas sonoridades musicais: furor balcânico, deambulações árabes, calores latinos e requintes de afro-beat, explosões de turbofolk e ska. O resultado é um concentrado energético infalível e contagiante, obtido através de um processo de fusão original. As letras convidam à reflexão sobre o estado desumano do mundo e incitam à libertação do indivíduo, rumo a si mesmo. Um projecto musical que acrescenta algo de novo à world music feita em Portugal, capaz de suprimir fronteiras geográficas e etárias
Página sobre a banda: http://kumpaniaalgazarra.no.sapo.pt/

5 de Julho | 21h00

LIKE THE MAN SAID
Like the Man Said é uma banda de Reggae que surgiu em 2001 com a intenção de criar sons reaccionários, palpitantes, coloridos, envolventes, quentes, alegres e conscientes para o Mundo.
Like the Man Said compreende que com o Reggae a intenção é espalhar a Mensagem ao maior número possível de pessoas, pois acredita que cada um de nós faz a diferença no Planeta Azul. Acabaram de finalizar o seu primeiro trabalho intitulado Rude Awakening, nos estúdios Tropysom com a colaboração de Pascoal Silva.
Página sobre a banda: http://www.myspace.com/likethemansaid

NEMA PROBLEMA
O grupo Nema Problema começou a tocar há cerca de 3 anos, e caracteriza-se como uma miscelânea turbo-poética de Itália, Milão. Sete músicos itinerantes, com instrumentos acústicos e a energia criadora de um estilo composto de música dos Balcãs, com raízes ciganas, klezmer e um “cheirinho” de jazz.
Páginas sobre a banda: http://www.myspace.com/nemaproblemaorkestar

FARRA FANFARRA
A Farra Fanfarra abana o globo terrestre até as fronteiras se transformarem numa confusão de ritmos e cores enebriantes. Circo e música de mãos dadas para uma farra sem limites!
Página sobre a banda: http://www.myspace.com/farrafanfarra

Organização:-Câmara Municipal do Barreiro – Gabinete da Juventude
Morada: Espaço J – Rua Dr. António José de Almeida, n.º69, 2830 Barreiro
Contacto: 21 207 97 76

Maio 26, 2008

Marvila dos Sabores – de 19 a 22 de Junho

“A Junta de Freguesia de Marvila organiza um festival gastronómico que procura dar a conhecer a riqueza multicultural da freguesia.

Durante quatro dias os visitantes podem encontrar uma feira de produtos e artesanato regionais, animação de rua, espectáculos de música e uma zona de restauração a cargo do chefe de cozinha Michel da Costa.

No festival participam não só as regiões do país (Alentejo, Beiras, Minho e Trás-os-Montes), mas também algumas comunidades imigrantes (PALOP, Brasil, Europa de Leste, entre outras)”.

Marvila situa-se na parte oriental de Lisboa, tendo ao sul o Rio Tejo (o Mar da Palha).

E é nessa fregusia que se realiza uma das mais conhecidas e populares feiras de Lisboa, a Feira do Relógio, “local onde tudo se vende, desde o coirato assado até às mobílias de estilo”.

A Marvila dos Sabores terá mais sabor de 19 a 22 de Junho.

De quinta a sexta: 18h; no sábado e domingo, a partir das 15h.

Telefone: 218 310 350

site: http://www.jf-marvila.pt/

Abril 17, 2008

2.º Festival ImigrArte

 

Site no WordPress.com.