Programa de Festas

Maio 15, 2008

VIRVER MUSEUS – SEMANA DOS MUSEUS EM ESTREMOZ

 

Celebra-se no próximo dia 18 de Maio, o Dia Internacional dos Museus. As comemorações vão ter lugar um pouco por todo o país, e contribuem para para aumentar o interesse de vários públicos. Ir a um museu não pode, nem deverá ser, um acto de “elitismo”.
Exposições, visitas guiadas, concertos, peças de teatro, filmes, gastronomia, e outras actividades -haverá de tudo, com entrada gratuita nesse dia.

É interessante saber que em Estremoz está a decorrer um ciclo, que se prolonga até ao dia 18, o VIRVER MUSEUS.

“A Câmara Municipal de Estremoz, através do seu Museu Municipal, e em parceria com a Rede de Museus do Concelho de Estremoz, preparou um Ciclo de Actividades para a primeira edição do VIRVER MUSEUS – Semana dos Museus em Estremoz.

Este projecto inovador visa animar os Museus do Concelho e reforçar a ligação dos mesmos com a Comunidade”.

Assim, sim.

site: Câmara Municipal de Estremoz

ver aqui o Programa completo  (documento PDF)

 

Abril 26, 2008

Museu do Oriente – Trimurti: Mário Laginha + Ngyen Lê + Prabou Edhouard + Joji Hirota

O agora Museu do Oriente, correspondente ao então edifício Pedro Álvares Cabral, e património municipal, construído em 1940 para albergar o armazém frigorífico da Doca de Alcântara (sobretudo bacalhau), foi remodelado pelos arquitectos Carrilho da Graça e Rui Francisco.

“Perante esta sugestão, vai ser difícil alguém continuar a insistir em responder com bocejos quando se fala de museus.

O Museu do Oriente apresenta-se como um “novo centro de cultura e lazer” e prova-o logo na altura da inauguração, marcada para 8 de Maio.
De 9 a 12, quem passar pela Doca de Alcântara Norte só tem de entrar para ver o espectáculo inédito que Mário Laginha criou para a ocasião”.

 

Chama-se “Trimurti” e conta com a presença de destacados músicos orientais: o vietnamita Nguyen Lê (em jeito de virtuoso do jazz ou de artista rock, é guitarrista para navegar por música improvisada, funk, electro-acústica, “world”, etc.), o indiano Prabou Edhouard (revelação recente das tablas) e o japonês Joji Hirota (além de flautista, é um mestre do taiko)”.

MÚSICA

TRIMURTI (Portugal, Vietname, Índia, Japão)
Mário Laginha (Portugal) – piano
Ngyen Lê (Vietname) – guitarras
Prabou Edhouard (Índia) – tablas
Joji Hirota (Japão) – tambores taiko e shakuhachi
9, 10, 11, 12 MAIO – AUDITÓRIO
22:00
Preço: € 20,00

MÚSICA HINDUSTANI (ÍNDIA)
Manuel Leão – sitar
9, 10, 11 MAIO – SALÃO MACAU
9 Maio, 21:00
10 Maio, 11:00 (com Francisco Cabral nas tablas)
10 Maio, 21:00
11 Maio, 11:00 (com Francisco Cabral nas tablas)
11Maio, às 21:00

MÚSICA E DANÇAS TRADICIONAIS DE GOA
Grupo Ekvât
10, 11 MAIO – SALÃO MACAU

MÚSICA CHINESA EM INSTRUMENTOS OCIDENTAIS
Quarteto Capela
9, 11 MAIO – SALÃO MACAU
9 Maio, 14:30
11 Maio, 17:30

 

Teatro

NÃO TOQUEM NAS MINHAS MÃOS
Sombras com mãos
Valeria Guglietti (Argentina)
10, 11 MAIO – AUDITÓRIO
15:00 e 16:30

Com este programa inicial, que marca a inauguração do Museu, com a diversidade de espaços e eventos que apresenta, não haverá “bocejos” que lhe resistam.

Site: Fundação Oriente

Informações: 21 358 52 44
Avenida Brasília
Doca de Alcântara ( Norte)
1350-362 Alcântara

 

 

Março 7, 2008

Rita Redshoes no MusicBox

Filed under: museus,pop — profestas @ 1:44 am
Tags: , ,

 

No dia 12 de Março, às 23 horas, a menina dos sapatos encarnados, de seu nome Rita Redshoes, estará no MusicBox.

Em 2007 , “Dream on Girl” foi a sua primeira afirmação a solo, e 2008 é o ano da edição do seu CD de estreia “Golden Era”.

Depois do projecto Atomic Bees e da parceria com David Fonseca cantando a “Hold Still”, tudo indica que está a nascer uma nova estrela.

Que os céus lhe sejam favoráveis. Mas para isso passe na Rua Nova do Carvalho – Cais do Sodré (é às 23h) e leve 6 euros para a entrada.

Rita Redshoes

Music Box 

Novembro 4, 2007

A Exposição Hermitage em Lisboa

Filed under: eventos,museus — Dionisio Leitão @ 1:51 am
Tags: ,

De Pedro (o Grande) a Nicolau II
Arte e Cultura do Império Russo nas Colecções do Hermitage
Inauguração 25 de Outubro.

Local
Galeria de Pintura do Rei D. Luís, Palácio da Ajuda.

Conteúdos
636 peças de áreas tão diversas como pintura – com retratos de Estado de Catarina da Rússia e Pedro o Grande – mobiliário, ourivesaria (cálice e patena, relógios, caixas, peças de adorno), trajes imperiais, trenó real e de criança, baixelas de prata e ouro, serviços de jantar em porcelana reconstituindo as mesas do palácio imperial, etc.

O Museu Hermitage pertence ao mundo pela importância das suas colecções, palavras do Dr. Mateveyev, Director Adjunto para Exposições e Desenvolvimento, em recente entrevista, durante a sua visita na Lisboa.

A apresentação em Portugal, pela primeira vez, de uma exposição de obras das colecções do Hermitage, que incluirá cerca de 650 peças de pintura, mobiliário, ourivesaria e traje, com particular destaque para os retratos de Estado de Catarina da Rússia e Pedro o Grande, trenós usados pelos Czares, baixelas de prata e ouro, serviços de jantar em porcelana reconstituindo as mesas do palácio imperial, entre outros, será um momento único, gerador de interesse ímpar, que atrairá à Galeria de Pintura do Rei D. Luís, I no Palácio da Ajuda, um vasto e diversificado público.

A exposição ‘De Pedro, o Grande, a Nicolau II – Arte e Cultura do Império Russo nas Colecções do Hermitage’ é organizada especificamente para Portugal, sob a direcção de duas comissárias do Museu Hermitage, reunindo cerca de 650 obras das variadas colecções do Museu, em especial provenientes dos Departamentos de Arte Europeia e do Departamento Russo.

O programa expositivo traça um percurso cronológico que se inicia no século XVIII, no reinado de Pedro I, o fundador do Império, continuando por Isabel I e Catarina a Grande, czarinas a quem se deve uma expressiva protecção das artes e a fundação do Palácio de Inverno de São Petersburgo, edifício que viria a albergar o Museu Hermitage. A abordagem prolonga-se pelo século XIX, através dos reinados de Paulo I, Alexandre I e termina já no dealbar do século XX no último czar Nicolau II, traçando um percurso de mais de dois séculos com uma selecção de obras escolhidas entre as mais significativas colecções deste museu.

Nesta mostra, as colecções de Pintura, estão amplamente representadas com retratos de Estado dos imperadores ou de membros da corte ou ainda de vistas de S. Petersburgo, as colecções de jóias e ourivesaria com os famosos trabalhos do ourives Fabergé que deu a conhecer ao mundo a sua arte única de trabalhar o esmalte, ouro e pedras preciosas, as miniaturas com retratos imperiais, obras de arte muito populares durante o reinado de Catarina a Grande, que criou mesmo uma escola para ensinar este ofício na Real Academia de Arte, as colecções de mobiliário representadas por cadeiras imperiais, mesas entalhadas ou ainda com os trenós da família imperial, as colecções de porcelana oriundas da Fábrica Imperial de Porcelana, que serão amplamente apresentadas com ricos serviços de mesa recriando as mesas imperiais.

Num percurso sobre as várias formas de expressão cultural do Império Russo, estão igualmente seleccionadas peças de arte ligadas aos grandes filósofos ou médicos da corte. As colecções de Traje estão igualmente presentes com sumptuosos vestidos de corte, mantos ou uniformes militares dos czares.

A apresentação das referidas colecções de pintura, artes decorativas, mobiliário e traje ilustrará, através de diferentes núcleos expositivos, a sumptuosa vida das cortes dos czares russos, numa exposição que aliará a raridade das peças em exposição ao interesse emotivo que as mesmas seguramente despertarão junto do público.

Informação e fotos da Associação de Turismo de Lisboa

Imperdoável não visitar

Site no WordPress.com.