Programa de Festas

Abril 30, 2009

Chão das Eiras – Abril a 2 de Maio – concertos, eventos, formação

Filed under: diversos — profestas @ 11:16 pm

Esta semana chamamos a atenção para a OFICINA DE FORRÓ, que se inicia na próxima quarta-feira 6 de Maio. Increve-te e passa palavra.

30 Abr 09 – ANGEL OF DESPAIR DJ SET entrada livre
www. myspace. com/angel_of_despair

1 Mai 09 – 1889 FILME – CONCERTO live 2€
cinema e musica experimental por André Couto e Rui Moreira

2 Mai 09
– PHAMA & MURYAN live 2€
http://www.myspace.com/phamaband
http://www.myspace.com/muryanportugal

Formação@ChãdasEiras:

FORRÓ – INSCRIÇÕES ABERTAS
formadores: Sérgio Cardoso e Inês Guedes
duracção: 06 de Maio a 29 de Julho
4as-feiras das 19h30 às 21h
desconto para pares

Danças Tradicionais do Mundo
formador: Sophie Kalisz

4as-feiras das 21h às 22h45

1ª aula grátis

Capoeira Angola

formador: Professor Tijolo (São Paulo)
2as, 3as e 5as-feiras das 20h às 22h
roda aberta: sábados das 14 às 17h
1ª aula grátis

Teoria Musical e Solfejo – data a definir

Flauta de Bisel – data a definir

Teatro e Expressão Dramática – data a definir

Para mais informações contacta-nos nos sítios do costume.


Rua Chã 127

barrabassoundsystem@gmail.com
chadaseiras.blogspot.com
myspace.com/barrabassoundsystem

Teatro Maria Matos – Debate Arte & Mercadoria – Dia 4 de Maio

Filed under: diversos — profestas @ 12:52 am
Tags: , , ,

O Teatro Maria Matos e a UNIPOP promovem pela primeira vez no próximo dia 4 de Maio das 18h às 23h um programa dedicado ao tema “ARTE & MERCADORIA”, com mesa redonda “O AUTOR ENQUANTO PRODUTOR” com participação de António Guerreiro (crítico do jornal Expresso), Francisco Frazão (programador de teatro da Culturgest), Marco Martins (cineasta) e Pedro Boléo (crítico musical do jornal Público) para uma conversa informal.Destaque ainda para conversa com Maurizio Lazzarato, acerca da Cultura, Trabalho, Liberalismo e Subjectividade.

Ciclo Jovens Músicos – 2009 – Cine Teatro Eduardo Brazão – Gaia

Filed under: diversos — profestas @ 12:10 am
Tags: ,

Abril 23, 2009

Fartos Destes Recibos Verdes !

São verdes, Senhor. Os recibos com que me pagas. E se, de repente, decides que não valho nada neste mundo? Se amanhã me despedes, sem saber de mim? Assim, de qualquer jeito? Sem saber de mim…???

“No dia 25 de Abril, a partir das 23h00, o MayDay Porto promove uma festa no espaço Maus Hábitos (Rua Passos Manuel) sob o lema ‘NÃO HÁ LIBERDADE ENQUANTO HOUVER PRECARIEDADE’.

Porque somos dois milhões de precárias/os em Portugal;

Porque acreditamos que a precariedade não está inscrita na ordem do Universo;

Porque sabemos que não tem que ser assim;

Porque acreditamos em trabalho com direitos para todas/os;

NO DIA 1 DE MAIO, DIA DO TRABALHADOR, VAMOS SAIR À RUA E FAZER OUVIR A FORÇA DA NOSSA VOZ!

PORQUE SE TODAS S PRECÁRIAS BATEREM O PÉ, O MUNDO TREME!

MAYDAY! MAYDAY! MAYDAY!”

http://www.maydayporto.blogspot.com/

MayDay Porto
1 de Maio – 12h00 – Praça dos Poveiros

MayDay Lisboa
1 de Maio – 12h00 – Praça de Camões

Abril 9, 2009

Encontros em LETRAS – Faculdade de Letras de Lisboa – dia 16 de Abril

No dia 16 de Abril, às 16h30, não perca o próximo Encontro a realizar na Biblioteca da Faculdade de Letras de Lisboa, cujo tema é o conto “O Enfermeiro”, de Machado de Assis, na obra Várias Histórias, com a presença da Professora Dra Beatriz Weigert.

Dezembro 4, 2008

WORKSHOP DE TEATRO – FÉRIAS NATAL CRIANÇAS/JOVENS – EM VISEU

26 – 27 – 28 – 29 de Dezembro 2008

Horário:
Das 9:00 às 13:00

Local:
Teatro Mirita Casimiro

Faixa Etária
Dos 6 aos 17 anos

Apresentação Final
Teatro Mirita Casimiro –  às 17:00

Objectivos
Dinamizar novas experiências
Promover e encontrar apetências artísticas (arte de representar)
Noções teóricas e práticas das artes de palco
Apresentação/performance teatral

Formadores:
Catarina Gonçalves e João Rosa

Dezembro 1, 2008

Interior Esquecido – SEMINÁRIO “TURISMO RURAL E DESENVOLVIMENTO DOS TERRITÓRIOS”

Nem tudo são rosas perfumadas, nem tudo são espectáculos, festas, ou lançamentos de livros. Há um País que também espera por si.

Noutro mundo paralelo. Num espaço esquecido. Espero que haja alguns que o percebam, e que não o esqueçam.

Novembro 24, 2008

O Amor na Poesia Dominicana – Cancelamento da Conferência do dia 25 de Novembro de 2008

A Casa da América Latina lamenta informar de que, por motivos alheios à sua vontade, não será realizada a conferência sobre “O Amor na Poesia Dominicana”, prevista para amanhã dia 25, às 18,30 horas.

Para mais informações, poderá consultar o portal http://www.c-americalatina.pt/scid/calweb/ou contactar-nos através do e-mail: geral@c-americalatina.pt

Novembro 23, 2008

MIA COUTO – E se Obama fosse africano?

Filed under: diversos — profestas @ 8:20 pm
Tags: , , ,

E se Obama fosse africano?

Por Mia Couto

Os africanos rejubilaram com a vitória de Obama. Eu fui um deles. Depois de uma noite em claro, na irrealidade da penumbra da madrugada, as lágrimas corriam-me quando ele pronunciou o discurso de vencedor. Nesse momento, eu era também um vencedor. A mesma felicidade me atravessara quando Nelson Mandela foi libertado e o novo estadista sul-africano consolidava um caminho de dignificação de África.

Na noite de 5 de Novembro, o novo presidente norte-americano não era apenas um homem que falava. Era a sufocada voz da esperança que se reerguia, liberta, dentro de nós. Meu coração tinha votado, mesmo sem permissão: habituado a pedir pouco, eu festejava uma vitória sem dimensões. Ao sair à rua, a minha cidade se havia deslocado para Chicago, negros e brancos respirando comungando de uma mesma surpresa feliz. Porque a vitória de Obama não foi a de uma raça sobre outra:
sem a participação massiva dos americanos de todas as raças (incluindo a da maioria branca) os Estados Unidos da América não nos entregariam motivo para festejarmos.

Nos dias seguintes, fui colhendo as reacções eufóricas dos mais diversos recantos do nosso continente. Pessoas anónimas, cidadãos comuns querem testemunhar a sua felicidade. Ao mesmo tempo fui tomando nota, com algumas reservas, das mensagens solidárias de dirigentes
africanos. Quase todos chamavam Obama de “nosso irmão”. E pensei: estarão todos esses dirigentes sendo sinceros? Será Barack Obama familiar de tanta gente politicamente tão diversa? Tenho dúvidas. Na pressa de ver preconceitos somente nos outros, não somos capazes de ver os nossos próprios racismos e xenofobias. Na pressa de condenar o Ocidente, esquecemo-nos de aceitar as lições que nos chegam desse outro lado do mundo.

Foi então que me chegou às mãos um texto de um escritor camaronês, Patrice Nganang, intitulado: “E se Obama fosse camaronês?”. As questões que o meu colega dos Camarões levantava sugeriram-me
perguntas diversas, formuladas agora em redor da seguinte hipótese: e se Obama fosse africano e concorresse à presidência num país africano?~

São estas perguntas que gostaria de explorar neste texto.

E se Obama fosse africano e candidato a uma presidência africana?

1. Se Obama fosse africano, um seu concorrente (um qualquer George Bush das Áfricas) inventaria mudanças na Constituição para prolongar o seu mandato para além do previsto. E o nosso Obama teria que esperar mais uns anos para voltar a candidatar-se. A espera poderia ser longa, se tomarmos em conta a permanência de um mesmo presidente no poder em África. Uns 41 anos no Gabão, 39 na Líbia, 28 no Zimbabwe, 28 na Guiné Equatorial, 28 em Angola, 27 no Egipto, 26 nos Camarões. E por aí
fora, perfazendo uma quinzena de presidentes que governam há mais de 20 anos consecutivos no continente. Mugabe terá 90 anos quando terminar o mandato para o qual se impôs acima do veredicto popular.

2. Se Obama fosse africano, o mais provável era que, sendo um candidato do partido da oposição, não teria espaço para fazer campanha. Far-Ihe-iam como, por exemplo, no Zimbabwe ou nos Camarões:
seria agredido fisicamente, seria preso consecutivamente, ser-Ihe-ia retirado o passaporte. Os Bushs de África não toleram opositores, não toleram a democracia.

3. Se Obama fosse africano, não seria sequer elegível em grande parte dos países porque as elites no poder inventaram leis restritivas que fecham as portas da presidência a filhos de estrangeiros e a
descendentes de imigrantes. O nacionalista zambiano Kenneth Kaunda está sendo questionado, no seu próprio país, como filho de malawianos.
Convenientemente “descobriram” que o homem que conduziu a Zâmbia à independência e governou por mais de 25 anos era, afinal, filho de malawianos e durante todo esse tempo tinha governado ‘ilegalmente”.
Preso por alegadas intenções golpistas, o nosso Kenneth Kaunda (que dá nome a uma das mais nobres avenidas de Maputo) será interdito de fazer política e assim, o regime vigente, se verá livre de um opositor.

4. Sejamos claros: Obama é negro nos Estados Unidos. Em África ele é mulato. Se Obama fosse africano, veria a sua raça atirada contra o seu próprio rosto. Não que a cor da pele fosse importante para os povos que esperam ver nos seus líderes competência e trabalho sério. Mas as elites predadoras fariam campanha contra alguém que designariam por um “não autêntico africano”. O mesmo irmão negro que hoje é saudado como novo Presidente americano seria vilipendiado em casa como sendo representante dos “outros”, dos de outra raça, de outra bandeira (ou de nenhuma bandeira?).

5. Se fosse africano, o nosso “irmão” teria que dar muita explicação aos moralistas de serviço quando pensasse em incluir no discurso de agradecimento o apoio que recebeu dos homossexuais. Pecado mortal para os advogados da chamada “pureza africana”. Para estes moralistas – tantas vezes no poder, tantas vezes com poder – a homossexualidade é um inaceitável vício mortal que é exterior a África e aos africanos.

6. Se ganhasse as eleições, Obama teria provavelmente que sentar-se à mesa de negociações e partilhar o poder com o derrotado, num processo negocial degradante que mostra que, em certos países africanos, o perdedor pode negociar aquilo que parece sagrado – a vontade do povo
expressa nos votos. Nesta altura, estaria Barack Obama sentado numa mesa com um qualquer Bush em infinitas rondas negociais com mediadores africanos que nos ensinam que nos devemos contentar com as migalhas dos processos eleitorais que não correm a favor dos ditadores.

Inconclusivas conclusões

Fique claro: existem excepções neste quadro generalista. Sabemos todos de que excepções estamos falando e nós mesmos moçambicanos, fomos capazes de construir uma dessas condições à parte.

Fique igualmente claro: todos estes entraves a um Obama africano não seriam impostos pelo povo, mas pelos donos do poder, por elites que fazem da governação fonte de enriquecimento sem escrúpulos.

A verdade é que Obama não é africano. A verdade é que os africanos – as pessoas simples e os trabalhadores anónimos – festejaram com toda a alma a vitória americana de Obama. Mas não creio que os ditadores e corruptos de África tenham o direito de se fazerem convidados para
esta festa.

Porque a alegria que milhões de africanos experimentaram no dia 5 de Novembro nascia de eles investirem em Obama exactamente o oposto daquilo que conheciam da sua experiência com os seus próprios dirigentes. Por muito que nos custe admitir, apenas uma minoria de estados africanos conhecem ou conheceram dirigentes preocupados com o bem público.

No mesmo dia em que Obama confirmava a condição de vencedor, os noticiários internacionais abarrotavam de notícias terríveis sobre África. No mesmo dia da vitória da maioria norte-americana, África continuava sendo derrotada por guerras, má gestão, ambição desmesurada de políticos gananciosos. Depois de terem morto a democracia, esses políticos estão matando a própria política. Resta a guerra, em alguns casos. Outros, a desistência e o cinismo.

Só há um modo verdadeiro de celebrar Obama nos países africanos: é lutar para que mais bandeiras de esperança possam nascer aqui, no nosso continente. É lutar para que Obamas africanos possam também vencer. E nós, africanos de todas as etnias e raças, vencermos com esses Obamas e celebrarmos em nossa casa aquilo que agora festejamos em casa alheia.

Jornal “SAVANA” – 14 de Novembro de 2008

Fonte: Clube de Jornalistas

Novembro 20, 2008

Casimiro de Brito – 50 anos de escrita

 

Casimiro de Brito veio a Faro sem a companhia de seu amigo e seu irmão nas letras, António Ramos Rosa; mas o poeta que sabe como bate o coração esteve entre nós, na biblioteca que recebeu o seu nome e onde a sua voz se fez ouvir, na voz de outros que a tomaram como sua.

É assim que a poesia acontece.

Coube a José Carlos Barros, meu estimado amigo, a responsabilidade pela apresentação desta última publicação de Casimiro de Brito, numa edição de 4Águas Editora, sob a direcção de Fernando Esteves Pinto, que também conto como bom amigo, e do seu sócio neste projecto editorial, Vítor Cardeira.

Já em Abril de 2007 José Carlos Barros tinha apresentado um outro trabalho de Casimiro de Brito, dessa feita na Biblioteca de Loulé. É para esse texto que vos remeto , evitando alongar este post, que está mesmo a precisar de um poema para que se cumpra.

A luz trocada em olhos que ficaram
subitamente cegos, e depois as palavras,
cautelosas, dizendo a seda
dos corpos sós. O desejo
foi polindo em silêncio
um fruto em busca da sua maturação.
A teu lado me deito e bebo a água
que tu me abres
e onde me perco e ardo e tudo.
Aqui tens o meu corpo cheio de mundo.
Amar-te é viagem que não se acaba
e contigo vou, para o alto
e para o fundo.

Casimiro de Brito
69 Poemas de Amor
4Águas Editora, Tavira 2008

Já tinhamos escrito aqui sobre  este “encontro”.

Mas este texto, integral, do Local & Blogal, é irresistível.

 

Local & Blogal

Novembro 18, 2008

DA WEASEL | GRUPO DISPONIBILIZA CLIPS DO DVD NO SITE OFICIAL

Filed under: diversos — profestas @ 6:54 pm

DA WEASEL AO VIVO NO PAVILHÃO ATLÂNTICO EM DVD A 26 DE NOVEMBRO
GRUPO DISPONIBILIZA CLIPS DO DVD NO SITE OFICIAL

Antes da edição do tão aguardado DVD “Da Weasel ao vivo no Pavilhão Atlântico” no próximo dia 26 de Novembro, podes desde já assistir a clips retirados do mesmo no site oficial (http://www.daweaselonline.com/).

Os Da Weasel irão disponibilizar um total de oito clips até à data de edição. Mas não é tudo: podes ainda ter acesso, antes do dia 26 de Novembro, a um especial do DVD que será disponibilizado através do site. Para saberes todos os detalhes vai a http://www.daweaselonline.com.

“Da Weasel ao vivo no Pavilhão Atlântico” estará disponível em dois formatos: uma edição normal com o filme do concerto em dois DVD’s a que se juntam, como extras, o making-of do concerto e uma galeria de fotos; e uma edição especial que, além do conteúdo acima referido, contém dois cd’s com o áudio do concerto. Esta última estará disponível numa embalagem especial.

No DVD do concerto realizado a 10 de Novembro do ano passado, num Pavilhão Atlântico com casa cheia, pudemos encontrar o registo de todas as participações com que os Da Weasel contaram nessa noite histórica: Gato Fedorento, Maestro Rui Massena & Orquestra dos Sonhos, Bernardo Sassetti, Atiba e Manel Cruz.

Mais de 30 temas num espectáculo de mais de duas horas compõem este DVD, no qual encontramos muitos dos temas mais marcantes da carreira dos Da Weasel.

Para conheceres os alinhamentos das duas edições dirige-te à secção de notícias do site oficial.

http://www.daweaselonline.com/

Informação de Oficina da Ilusão

Novembro 14, 2008

MAGUSTO NA MOURARIA

Filed under: diversos — profestas @ 9:16 pm
Tags: , ,

GAIA (Grupo de Acção e Intervenção Ambiental)

Teatro Viriato – projecto de Teatro Panos’09

Filed under: diversos — profestas @ 8:02 pm
Tags: , , ,

“Pelo quarto ano consecutivo, o Teatro Viriato (Viseu),  participa no PANOS – Palcos Novos Palavras Novas.

As inscrições estão abertas até 21 de Novembro e podem ser feitas junto da bilheteira do Teatro Viriato ou através do site http://www.teatroviriato.com/.

Para integrar o grupo de jovens de Viseu que, durante meses vai explorar o trabalho de actor, sob a orientação de Graeme Pulleyn,  basta ter entre 14 e 17 anos e não é necessário ter experiência de palco. Mas se um dos interessados já participou neste projecto, só poderá inscrever-se caso tenha integrado apenas uma edição do PANOS.

As inscrições serão sujeitas a uma pré-selecção, feita pelo encenador Graeme Pulleyn.

Os seleccionados serão conhecidos até dia 10 de Dezembro.

O primeiro encontro com o encenador está marcado para 22 de Dezembro, das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h00. Os ensaios começam a partir do dia 05 de Janeiro, à segunda e quarta-feira, das 18h30 às 20h30. Durante as férias da Páscoa, os ensaios decorrem de segunda a sexta-feira (excepto sexta-feira santa), das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h00.

A peça que resulta desta exploração do trabalho de actor e do próprio texto, que ainda vai ser escolhido, estreia no Teatro Viriato em Abril de 2009.

Inspirado no projecto Shell Connections do National Theatre de Londres, PANOS – Palcos Novos Palavras Novas é um projecto da Culturgest que pretende aliar o teatro escolar/juvenil às novas dramaturgias. O projecto PANOS parte de uma “encomenda” de peças a dramaturgos para serem representadas por actores com idades compreendidas entre os 14 e os 17 anos, sem restrições temáticas”.

 

 

 

 

Teatro Viriato

Novembro 10, 2008

Especialistas de guerra em Famalicão

O Museu Bernardino Machado promove conferências dos Encontros de Outono a 21 e 22 de Novembro

Os jornalistas Pedro Caldeira Rodrigues e Miguel Urbano Rodrigues, o general Pezarat Correia e mais um conjunto de oito académicos de cinco universidades portuguesas estarão em Vila Nova de Famalicão nos próximos dias 21 e 22 de Novembro como conferencistas dos Encontros de Outono 2008, uma organização do Museu Bernardino Machado, que este ano é subordinada ao tema “A Guerra e a Paz entre as Nações”.

As conferências, que são promovidas pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, no âmbito da programação cultural do Museu Bernardino Machado, vão decorrer na Casa das Artes da cidade, onde os temas em destaque serão a “Guerra do Kosovo – Da intervenção da NATO à declaração unilateral de independência”, a desenvolver pelo jornalista Pedro Caldeira Rodrigues, “A Guerra do Iraque”, por Carlos Gaspar, do Instituto Português de Relações Internacionais, e “Pensar o terrorismo hoje a partir da política”, por António Horta Fernandes, da Universidade Nova de Lisboa.

A guerra nas antigas colónias portuguesas em África e a sua agudização em plena Guerra Fria, pelo general Pezarat Correia, a presença de Portugal na I Guerra Mundial, pelo coronel Luís Alves de Fraga, da Universidade Autónoma de Lisboa, assim como o estado de Portugal e dos aliados à saída da II Guerra Mundial, por Pedro Aires de Oliveira, da Universidade Nova de Lisboa, são outras conferências a suscitar interesse.

Norberto Cunha, que, além de director do Museu Bernardino Machado, é professor da Universidade do Minho, abordará “O problema da guerra em Ortega y Gasset”, enquanto Fernando Martins, da Universidade de Évora, irá falar dos esforços de paz de organizações como a Sociedade das Nações e a ONU. O jornalista Miguel Urbano Rodrigues irá abordar a questão das lutas políticas e sociais na América Latina, em particular da luta armada na Colômbia.

“A ideia da paz perpétua no século XVIII”, por Manuel Canaveira, da Universidade Nova de Lisboa, e “O federalismo português oitocentista e as ideias da paz”, por Maria Manuela Tavares Ribeiro, da Universidade de Coimbra, são outros dos temas a abordar nas conferências dos Encontros de Outono 2008.
“Vamos ter em Vila Nova de Famalicão os melhores especialistas e investigadores nacionais no âmbito dos diversos temas abordados nestes Encontros de Outono”, afirmou Norberto Cunha, director do Museu Bernardino Machado, na conferência de imprensa de apresentação do evento, nesta segunda-feira. Norberto Cunha lembrou que todos os conferencistas convidados “são pessoas que conhecem profundamente estas temáticas e que têm obra publicada”.

De acordo com o mesmo responsável, os Encontros de Outono 2008 são “uma oportunidade rara nos dias de hoje para reflectirmos sobre o fenómeno da guerra e dos grandes conflitos mundiais, como a guerra dos Balcãs, mas também o conflito no Iraque, o terrorismo, as lutas sociais na América Latina, o papel das Nações Unidades, a guerra colonial, assim como as duas grandes guerras mundiais”.

Os Encontros de Outono colocam Famalicão e o Museu Bernardino Machado na rota dos grandes eventos do pensamento cultural e histórico que é produzido nas melhores universidades portuguesas”, declarou o presidente da Câmara Municipal, Armindo Costa, lembrando outras iniciativas de relevo cultural nacional, “que trouxeram a Famalicão um grande número de académicos e historiadores”, tais como os ciclos de conferências sobre os “Presidentes da República” e sobre as revoltas académicas nas universidades portuguesas. “São iniciativas marcantes, que reforçam Famalicão e o Museu Bernardino Machado como destinos obrigatórios para estudar a História de Portugal, em particular o período correspondente à 1ª República”, destacou Armindo Costa.

Pode ver o programa completo no site do Município de Vila Nova de Famalicão.

Ciclo de Workshops de Concertina

Depois do cavaquinho, agora a concertina.

Ciclo de Workshops de Concertina
no concelho de Águeda
sáb 29 Nov 08 FERMENTELOS | sáb 27 Dez 08 ÁGUEDA | sáb 31 Jan 09 BELAZAIMA DO CHÃO

INSCRIÇÕES ABERTAS

Na sequência da sua tradição formativa na área da concertina e na perspectiva de a reforçar, a EMtrad’ – Escola de Música Tradicional vem agora disponibilizar um conjunto de Workshops de Concertina, orientados pelos seus actuais formadores: Artur Fernandes, Filipe Ricardo e Francisco Miguel. Depois dos workshops de cavaquinho em Maio passado (em Recardães e na Mourisca), segue agora especial atenção à concertina, com Workshops agendados para Fermentelos, Águeda e Belazaima do Chão.

Estes workshops tem dois tipos de destinatários: por um lado, para quem já toca o instrumento e pretende um aperfeiçoamento e, por outro, para quem nunca tocou concertina e pretende um primeiro contacto. Os participantes podem ser oriundos de grupos folclóricos ou outros grupos musicais, alunos de escolas de música ou ainda participantes individuais. Outros interessados podem ainda assistir ao Workshop, na qualidade de ouvintes.

Os Workshops funcionarão com um máximo de 15 participantes, não havendo contudo limite de inscrições para ouvintes. Terão lugar sempre no último sábado do mês, sempre com a duração de 3 horas (15h-18h), de forma descentralizada pelo concelho de Águeda, acolhidos por colectividades locais, respectivamente no Grupo Folclórico Senhora da Saúde – Fermentelos (29 Novembro), na Orquestra Típica de Águeda (27 Dezembro) e n’Os Serranos Associação Etnográfica – Belazaima do Chão (31 Janeiro 2009).

As pré-inscrições deverão ser obrigatoriamente feitas até à quarta-feira anterior ao Workshop e terão o custo de 5 Euros (participantes) ou 2 Euros (ouvintes). A frequência é gratuita para membros da colectividade acolhedora, mas sempre sujeito à pré-inscrição. Este ciclo de Workshops de Concertina promovidos pela EMtrad’ surge no âmbito do Programa de Apoio à Formação para os grupos folclóricos, em parceria com a Câmara Municipal de Águeda, com o prestimoso apoio das três colectividades anfitriãs.

Mais informações na d’Orfeu Associação Cultural, através do sítio http://www.dorfeu.com/ ou pelos telefones 934623775 / 234603164.

http://dorfeu.blogspot.com/

Novembro 9, 2008

URBAN TALES – “Alive” – 19 de Novembro – FNAC CHIADO

A FEDRA (Federação de Doenças Raras em Portugal), associados à banda Urban Tales juntam-se no próximo dia 19 de Novembro pelas, 19horas, na Fnac do Chiado para celebrar e apresentar o lançamento oficial do CD ALIVE, onde está incluído o hino oficial da Federação, criado e cedido exclusivamente pela banda de Lisboa.

Para além de ser posto o CD à venda, num pequeno colóquio, a Presidente Paula Brito e Costa falará dos objectivos da FEDRA, o que levou á sua criação e os planos para o futuro…

Haverá ainda um pequeno show case no formato acústico da banda, onde os Urban Tales tocarão o tema ALIVE.

O CD distribuído pela Compact Records a nível nacional conta com 3 músicas, fotos promocionais e um vídeo clip.

O valor deste CD será de 5€; valor esse que reverte totalmente para a FEDRA.

A FEDRA (Federação de Doenças Raras de Portugal) foi constituída a 13 de Fevereiro de 2008, para dar voz às inúmeras associações de doentes com patologias raras que, desta forma, lutam juntas por uma mesma causa: a busca de melhores condições de vida para os doentes raros, despertar consciências farmacêuticas para a necessidade de investir nos medicamentos órfãos e, acima de tudo, fazer-se ouvir junto das entidades estatais, na procura de mais e melhor saúde para os portadores de doenças raras.
A Federação é constituida pela Raríssimas, ANPAR e ASBIHP,ANLL entre outras que a ela se vão juntando com o objectivo de unirem esforços na defesa nos interesses vários dos portadores de Doenças raras e suas familias (que socilamente são afectados pela condição dos seus entes directos).
Visitem o blog da FEDRA – http://rarissimas.blogs.sapo.pt/48328.html

Os URBAN TALES, banda de Lisboa que em finais de 2007 lançou um dos mais expostos e bem recebidos álbuns de rock a nível Internacional, “Diary of a No”, volta agora com um trabalho diferente, arriscado e competente, mostrando que apesar de muitas vezes rotulados, conseguem seguir diferentes trilhos.

Após uma continua promoção e bem conseguido air Play em diversas rádios e Televisões nacionais e internacionais, os Urban Tales após o single ALIVE, voltam a concentrar as suas atenções no futuro álbum a ser gravado em Janeiro.

Pelas palavras do seu mentor Marcos César, “será um álbum ainda mais apaixonante que o Diary, com mais garra e a mesma doce melancolia já conhecida da banda”.

Oiçam os URBAN TALES. Vejam este site.

E este.

“Kova M Studio” – Cova da Moura – Rap – Nuno Santos, Chullage

Tem apenas alguns metros quadrados, mas traz a um dos mais estigmatizados bairros portugueses a esperança de se fazer ouvir. Sábado, a Cova da Moura concretiza o sonho de ter um estúdio de música, escreve a Lusa.

Há muito que a Associação Cultural Moinho da Juventude, que esta semana celebra 21 anos, procurava criar um espaço onde os jovens desta zona da Amadora pudessem estar ocupados a «fazer som», sobretudo rap, dando voz a uma das suas principais paixões.

Enquanto o projecto não avançava, por dificuldades financeiras, a opção foi apostar na formação musical numa das salas do Moinho, com algum equipamento de gravação, mas sem o isolamento acústico necessário.

«Foi uma luta de quatro ou cinco anos até conseguir o dinheiro todo e uma obra de oito meses. Houve várias coisas pelo meio, tivemos mesmo de parar as obras, mas arranjamos financiamento [em concertos, por exemplo] e houve um donativo anónimo, de uma pessoa que se vai apresentar sábado», conta Heidir Correia, animador da associação, preferindo não revelar montantes.

Hoje, reunidas as condições técnicas exigidas, os dez assíduos participantes do ateliê orientado pelo «rapper» Chullage e outros jovens que por lá passam têm finalmente a oportunidade de gravar no «Kova M Studio» o que «têm a dizer sobre a sociedade, o bairro, o mundo ou o amor», como aponta Heidir.

Kromo Di Ghetto, de 26 anos, é um dos mais antigos elementos do grupo.

Dedicado à música desde os 15, alia à capacidade de improvisar, inclusive em crioulo, tudo o que ali aprendeu a nível de composição, captação de voz, edição e mistura.

«Antes as condições não eram propícias para gravar. Agora, sim senhor, é algo mesmo muito enriquecedor, que vários bairros ambicionam», diz o MC (mestre de cerimónias), lembrando que reunir montantes como 40 ou 50 euros para gravar uma faixa, sem a mistura, não está ao alcance da maioria dos moradores dos bairros «sem recursos».

Também Nuno Santos, Chullage no meio artístico, não tem medo de provar que «podem nascer rosas no cimento» e acredita que tem entre os seus formandos talentos com muito potencial, alguns deles com um verdadeiro dom.

Para o músico, criado num bairro degradado do Monte da Caparica, estes jovens têm no «Kova M Studio» uma oportunidade de dar os primeiros passos rumo a uma carreira, mas devem manter em mente que a indústria está cada vez mais competitiva e que a aprendizagem é um processo longo e permanente.

Ler uma interessante entrevista com Chullage, aqui.

Chullage é sem dúvida um dos MC’s mais respeitados no Hip Hop nacional.

Lido também aqui

 

Chullage

Myspace de Chullage

Novembro 1, 2008

DEOLINDA – A cantiga nacional

Hoje, no Diário de Notícias, na secção “Opinião”, um texto escrito pela sua directora adjunta Filomena Martins, é uma verdadeira pérola.

Pérola de escrita, que merece ser lida. Porque nos provoca, porque nos encanta no seu desencanto, porque nos faz olhar e ver, e ver e ver…

Parabéns, DN

“Os Deolinda, um dos projectos de música popular portuguesa mais criativos dos últimos anos (a mistura do fado, com o folk, o jazz e até a canção de intervenção resulta genial), conseguiram passar a canção o retrato do “ser português” que nos tem colocado na cauda da Europa na maioria dos rankings, desde a educação à competetividade ou à produtividade. Sempre que alguém toma a iniciativa, decide cortar com as práticas do passado ou ousa inovar, encontra barreiras, críticas, burocracias ou simplesmente falta de vontade.

Os Deolinda chamaram a esta canção Movimento Perpétuo Associativo, um título soberbo, que resume tudo. O corporativismo dos sindicatos, desde os professores aos funcionários públicos, tem sido sempre o travão e não o acelerador que tem feito, como diz outra cantiga deste grupo. com que Portugal ande sempre “uma casa ali ao lado”.

AGORA SIM DAMOS VOLTA A ISTO
AGORA SIM HÁ PERNAS PARA ANDAR
AGORA SIM EU SINTO OPTIMISMO
VAMOS EM FRENTE NINGUÉM NOS VAI PARAR

Agora não que é hora do almoço
Agora não que é hora de jantar
Agora não que eu acho que não posso
Amanhã vou trabalhar

AGORA SIM TEMOS A FORÇA TODA
AGORA SIM HÁ FÉ NESTE QUERER
AGORA SIM SÓ VEJO GENTE BOA
VAMOS EM FRENTE E HAVEMOS DE VENCER

Agora não que me dói a barriga
Agora não dizem que vai chover
Agora não que joga o Benfica
e eu tenho mais que fazer

AGORA SIM CANTAMOS COM VONTADE
AGORA SIM EU SINTO A UNIÃO
AGORA SIM JÁ OIÇO A LIBERDADE
VAMOS EM FRENTE É ESTA A DIRECÇÃO

Agora não que falta um impresso
Agora não que o meu pai não quer
Agora não que há engarrafamento
Vão sem mim que eu vou lá ter

 

“Movimento Perpétuo Associativo”

Deolinda

Diário de Notícias

Outubro 25, 2008

DA WEASEL ANUNCIAM EDIÇÃO DE DVD AO VIVO NO PAVILHÃO ATLÂNTICO

Filed under: diversos — profestas @ 12:28 am
Tags:

NOTÍCIA PUBLICADA NO SITE OFICIAL CONFIRMA

DA WEASEL EDITAM DVD
AO VIVO NO PAVILHÃO ATLÂNTICO
NO FIM DE NOVEMBRO

Os Da Weasel anunciam hoje no seu site oficial a edição em DVD do concerto realizado a 10 de Novembro do ano passado no Pavilhão Atlântico.

O DVD do concerto, em que o Pavilhão Atlântico registou casa cheia, será editado no fim do próximo mês de Novembro e  grupo promete anunciar em breve no site todos os detalhes sobre a edição.

 

site: Da Weasel

Outubro 22, 2008

CASA DA AMÉRICA LATINA – Master class de GUITARRA CLÁSSICA

A Casa da América Latina, e as suas afinidades connosco pelo gosto pela música, é evidente.

A guitarra, o dolente som, um apaixonado som, um eterno sabor que é nosso.

Sem intenções de “publicidade”.

Só porque gostamos. E do Patricio Sanhueza Barria.

Casa da América Latina

Página seguinte »

Site no WordPress.com.